Colocando a faculdade para funcionar.

A experiência de fazer parte da faculdade está sendo maravilhosa. A expressão “fazer parte” está aqui porque quando a gente estuda o que sempre quis, tudo vai ficando muito penetrável e quando você se dá conta, já se tornou parte daquele mundo.

Temos a disciplina “História da Arte” e o professor pede várias atividades que devem ser postadas em um tumblr (acho contemporâneo, rs). Para alunos de Comunicação Social, não vejo didática melhor que essa, já que a zona multimídia está tão em alta. Então, acho a forma de avaliação muito boa.

O tumblr do meu grupo é o “Expressionismo Cultural”. É um projeto experimental da faculdade, mas vale fazer uma visitinha já que o conteúdo é monitorado por um professor. Os textos são escritos por mim e por mais duas alunas (Andreia e Carina).

fhhdg

Anúncios

Comprei! Cidadania no Brasil – o longo caminho.

Na faculdade, uma disciplina chamada “Comunicação, História e Sociedade” chamou a minha atenção. Era, basicamente, a história do Brasil. O professor Rafael Simões trabalhava períodos brasileiros a partir do conceito de cidadania. O livro utilizado por ele era “Cidadania no Brasil – o longo caminho”, de José Murilo de Carvalho. Eu adorei ler os primeiros capítulos.

Nós podíamos pegar o livro na biblioteca e também havia a possibilidade da xerox, mas eu achei ele tão interessante que resolvi comprá-lo na Saraiva. É uma boa dica para quem estuda Direito ou Comunicação Social. José Murilo de Carvalho narra toda a trajetória brasileira de 1500(chegada dos portugueses) à 1985(redemocratização). Para isso, utiliza uma visão diferenciada fazendo com que o leitor pense e reflita sobre o que é cidadania e como se deu a busca pela garantia dos direitos civis, sociais e políticos. A opinião dele e a forma de organizar as idéias são muito interessantes. É uma aula de história para quem está no mundo acadêmico. Vale a pena ler, revisar o conteúdo estudado no ensino básico e adicionar novos conceitos também. 

IMG_5623IMG_5377IMG_5625 IMG_5626

Exposição do centenário de Rubem Braga.

Rubem Braga nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, no Espírito Santo. Foi cronista, jornalista e até atuou como correspondente na segunda guerra mundial. É considerado um dos grandes escritores brasileiros, exclusivamente, pelo desenvolvimento da crônica literária. O curioso é que Rubem Braga nunca escreveu um romance. 

No início do ano, os professores da faculdade não falavam em outro escritor que não fosse Rubem Braga. Todos os exemplos e a maioria dos trabalhos era sobre ele. Eu conheci o cronista fazendo pesquisas para os seminários que teria que apresentar. Descobri textos incríveis! Minha crônica favorita é “Os jornais”. Fiquei sabendo desde fevereiro que Vitória seria a primeira cidade que abrigaria a exposição do centenário do autor. Visitei na semana passada e adorei saber um pouco mais sobre o cronista que admirava os pássaros. A exposição estava muito divertida!

IMG_5374 IMG_5304

IMG_5292

IMG_5368IMG_53411IMG_5309

Aproveitei também e fiz uma visita na área de cima do Palácio Anchieta. Sempre quis ir ao palácio, mas nunca nem parei em frente. Fiquei impressionada com o design, a riqueza de detalhes e o luxo daquele lugar. Você se sente na mesma época dos móveis, esculturas, lustres e pinturas. Estou me perguntando por que deixei passar tanto tempo até ir lá… Certamente, existem muitos lugares no meu estado que eu ainda preciso conhecer.

IMG_5231

Para entrar na parte de cima do palácio é preciso colocar essas pantufas para não danificar o chão de madeira antiga.

IMG_5239

IMG_5241

IMG_5255IMG_5256IMG_5259IMG_5242IMG_52431

IMG_5246

O palácio é voltado para o porto de Vitória.

IMG_5250

A linha azul demarca onde o mar chegava antes de Vitória ser aterrada.

IMG_5251

IMG_5270

Lustre que representa o café (produto que alavancou a economia capixaba no século XIX)

IMG_5268IMG_5254

IMG_5233

A exposição “Rubem Braga – O Fazendeiro do Ar” está no Palácio Ancheita até o dia 26 de maio. A visitação ocorre em todos os dias da semana e é gratuita.